PwC e ULI apresentam o Estudo “Emerging Trends in Real Estate® Europe 2013”

Um otimismo relativo regressa ao mercado imobiliário europeu, à medida que este se adapta à “nova normalidade”

A PwC e ULI vão apresentar o estudo "Emerging Trends in Real Estate Europe 2013", amanhã, dia 7 de março, no Hotel Tiara, em Lisboa.

Aproximadamente 80% dos inquiridos acreditam que a crise na “zona euro” lhes trouxe novas oportunidades de negócio. Este otimismo relativo é temperado pela opinião generalizada de que não haverá melhoria significativa na economia europeia ou no mercado imobiliário durante 2013, com 45% dos inquiridos a considerarem que os valores de investimento deverão permanecer estagnados até 2017.

Com os investidores a privilegiarem cidades tradicionalmente mais seguras, as cidades alemãs dominam as perspetivas de investimento para imóveis comerciais. No ranking das 27 cidades europeias objeto do estudo, Munique aparece como a cidade com melhores expectativas de desempenho em 2013, seguida de perto por Berlim que ocupa segundo lugar no ranking. Hamburgo surge na quinta posição. Como pontos positivos destas cidades os investidores referem “o forte clima local microeconómico e as condições flexíveis do mercado imobiliário”.

Londres, que é vista por muitos como o último mercado europeu seguro, representa a maior subida deste ano, alcançando a terceira posição ranking. Os investidores continuam a ser atraídos pela dimensão e liquidez de seu mercado imobiliário, a estabilidade da libra e ainda pela sua capacidade de se destacar do resto do Reino Unido e dos problemas económicos da Europa.

Em geral, as cidades melhor classificadas constituem os grandes centros internacionais da Europa Ocidental com melhores perspetivas económicas. Em oposição, as cidades com pior desempenho estão localizadas em países no centro da crise da “zona euro” ou a braços com as consequências da crise financeira de 2008, como Atenas, Dublin, Madrid, Barcelona e também Lisboa.

Sem surpresas, Lisboa ocupa dos últimos lugares no ranking da promoção imobiliária, posicionando-se atualmente em 24º lugar (26º em 2012). No que diz respeito às perspetivas de investimento imobiliário, Lisboa ocupa este ano a 26ª posição em relação a propriedades em carteira (2012 – 25º) e o 25º lugar no que diz respeito às novas aquisições (26º em 2012).

Jorge Figueiredo, partner da PwC em Portugal, refere que o estudo mostra uma mudança nas mentalidades dos investidores, conscientes de que o ambiente em que estão a operar é a “nova normalidade” que se instalou e que permanecerá por algum tempo. Os investidores enfrentam desafios crescentes, mas estão relativamente otimistas pela primeira vez em alguns anos.

Carlos Leiria Pinto, Chairman da ULI Portugal salienta por outro lado que o estudo identifica que a maioria dos inquiridos confirma existirem excelentes oportunidades de investimento na zona Sul da Europa, estando apenas em causa determinar o momento adequado para o fazer. Dito de outra forma, uma vez ultrapassadas as dúvidas sobre a dívida pública, estarão criadas as condições para o regresso do investimento estrangeiro.