Start me up?

A Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2017 inclui algumas medidas que visam incentivar startups, concedendo incentivos quer aos investidores, quer às próprias empresas.

Assim, propõe-se a criação de um "Projecto Semente" que prevê incentivos para os investidores individuais em sede de IRS. Concretamente, é criado um benefício fiscal aplicável aos investidores individuais em startups, que permite a dedução até 40% da coleta, em sede de IRS, de 25% do investimento elegível (até € 100 mil, por sujeito passivo), quando as participações sociais não sejam superiores a 30% do capital ou dos direitos de voto da sociedade e correspondam a entradas em dinheiro efetivamente pagas.

Por sua vez, as mais-valias da alienação das participações não serão tributadas se estas forem detidas durante, pelo menos, 48 meses e o valor de realização for reinvestido no próprio ano ou no ano seguinte ao da transmissão. Já na esfera das empresas, o alargamento do regime da remuneração convencional do capital permitirá que as empresas deduzam ao lucro tributável 7% das entradas em dinheiro ou resultantes da conversão de empréstimos de sócios. O regime passa a prever uma dedução ao lucro tributável do montante resultante da aplicação anual de uma taxa de 7% (atualmente 5%) das entradas, até € 2 milhões, realizadas no âmbito da constituição da sociedade ou do aumento do capital social, em dinheiro ou através da conversão de suprimentos ou de empréstimos de sócios, em oposição à atual limitação que considera apenas entradas em dinheiro.

Por sua vez, as PME que se instalem em zonas a determinar poderão beneficiar de uma redução da taxa de IRC para 12,5%, aplicável aos primeiros € 15.000 de matéria coletável. O SIFIDE, incentivo à investigação e desenvolvimento, mantém as suas principais características, mas passa a prever-se uma majoração em 100% para efeitos do cálculo do benefício fiscal relativamente às despesas relacionadas com projetos de conceção ecológica de produtos. Em sede de Segurança Social prevê-se uma autorização legislativa para que o Governo venha a propor alterações significativas ao nível do regime contributivo dos trabalhadores independentes, designadamente, a revisão das regras de enquadramento, a introdução de novas regras de isenção, a alteração da forma de apuramento da base de incidência contributiva, o estabelecimento de um montante mínimo mensal de contribuições e a revisão do regime das entidades contratantes.

De salientar ainda, a antecipação para o dia 8 de cada mês da obrigação de comunicação de faturas, o que aumentará certamente a dificuldade de cumprimento, sobretudo para as pequenas empresas, sem estrutura administrativa relevante. Por sua vez, há medidas que continuam a não constar do Orçamento, mas que seriam desejáveis. Seria, por exemplo, desejável que a taxa do IRC fosse finalmente reduzida para 19%e que o regime de patente box passasse a prever no seu âmbito os embedded royalties.

Catarina Gonçalves, PwC Tax Director
In IT Channel, 1 de novembro de 2016

"A Proposta de Lei do OE 2017 inclui algumas medidas que visam incentivar startups, concedendo incentivos quer aos investidores, quer às próprias empresas."

Catarina Gonçalves, Tax Dierctor
 

Contacte-nos

Pedro Palha
Manager
Tel: +351 213 599 651
Email

Follow us