A adoção do cloud computing pode ser uma oportunidade no contexto atual

Rui Rosado Gonçalves (Diretor de Business & Technology Consulting da PwC)
Oje - março 2012

A adesão à cloud continua a ser discutida nas companhias em Portugal. Mas, em contexto de crise, diz Rui Rosado Gonçalves a adesão à cloud pode ser uma oportunidade interessante

Há um ano, poucas empresas em Portugal tinham aderido à cloud, estando, na generalidade, a analisar como e quando seria oportuno avançar nesse sentido. O panorama alterou-se?

Esse panorama não se alterou. O tema da adesão à cloud continua a ser bastante discutido no contexto da transformação da função de tecnologias de informação (TI) das empresas em Portugal. No entanto, considerando alguns estudos conhecidos sobre o assunto e com base no que a generalidade das empresas nossas clientes está a fazer, não são dados passos concretos no sentido de se adotar uma arquitetura de cloud computing.

Tendo em conta o ambiente de crise económica e financeira que vivemos, migrar os sistemas para a cloud deve ser encarado como um desafio ou uma oportunidade para as empresas que pretendem migrar os seus sistemas?

À partida, considerando o contexto económico atual, qualquer iniciativa que conduza à racionalização de custos de investimento e operação em TI é relevante e pertinente. Neste contexto, a adesão à cloud pode ser uma oportunidade interessante. No entanto, o grau de preparação para adotar este modelo apresenta a migração de infraestruturas, sistemas ou serviços para a cloud como um desafio considerável. Isto acontece por diversos motivos entre os quais destaco o de muitas empresas não estarem preparadas para elevado grau de exigência do cloud computing ao nível de consolidação e virtualização da infraestrutura tecnológica. Por outro lado, há muitas lacunas ao nível das documentação dos processos de TI, o que dificulta significativamente a sua automatização e posterior industrialização num contexto de cloud computing. As que têm documentadas as suas atividades de gestão de TI ou até implementaram uma solução de IT Service Management, fizeram-no no contexto de otimização das necessidades atuais da prestação de serviços da sua função de TI, situação manifestamente insuficiente para um contexto de cloud computing. A adoção do cloud computing pode ser uma oportunidade muito interessante no contexto atual, mas o nível de transformação que poderá proporcionar maiores benefícios exige uma abordagem estruturada e faseada.

Quanto vale o mercado da cloud em Portugal e quais as perspetivas para os próximos anos?

Não há dados concretos sobre quanto vale o mercado da cloud em Portugal. Há semelhança do que acontece noutros países, haverá uma tendência para as empresas materializarem algumas intenções de implementarem serviços de cloud computing - publica e privada - como forma de distribuírem serviços de TI aos seus colaboradores

O enquandramento legal para a gestão dos dados na cloud está no bom caminho? Quais os próximos passos?

Considerando o âmbito do mercado de serviços de cloud computing, muitos analistas apontam para a necessidade de existir uma legislação unificada para a gestão de dados na cloud, uma vez que legislação local é uma ideia antagónica ao conceito de clouds transnacionais transnacionais, tanto públicas como privadas. Neste sentido, a legislação fragmentada será desvantajosa em relação à concorrência e à legislação. Surge assim, no horizonte, a necessidade de, mais do que uma legislação nacional, uma legislação paneuropeia em termos de cumprimento das normas e segurança que defina por exemplo se os dados em bruto devem ser impedidos ou não de sair do país.

E as questões da segurança e da privacidade dos dados, que são consideradas, por muitos, como um dos maiores obstáculos à adesão, por exemplo, à cloud. Que cautelas devem ter as empresas e os particulares? Onde devem apostar?

É um facto que muitas empresas e gestores levantam algumas questões relativamente à segurança dos serviços de cloud computing, principalmente no âmbito da utilização de clouds públicas. Entendo que alguns desses receios são infundados, e veja-se, nomeadamente, o caso de dados encriptados: a informação é inútil sem a chave que a desbloqueia, pelo que será assim tão importante saber onde é que estão guardados fisicamente os bits e bytes? Por outro lado, algumas empresas como a Google ou a Amazon terão, porventura, mais recursos humanos e financeiros parar assegurar a segurança das aplicações e dos dados do que as organizações internamente. Normalmente, o tema da segurança e privacidade não é tão discutido e relevante quando se trata de adotar clouds privadas. No entanto, será necessário salvaguardar um conjunto de questões mais operacionais que são cruciais para a implementação de serviços de cloud e que vão desde a gestão de incidentes, continuidade, gestão de configurações, etc. Em ambos os casos, haverá a necessidade de rever e refinar processos e políticas de gestão de riscos e controlos.